segunda-feira, 23 de agosto de 2010

...


Olá,

Escrevo-te antes de abalar.

Não quero que te inteires da angústia que sinto…

Antes de desenvolver a prosa, descontextualizo-a…Dentro da minha barriga há Rolls RoYces a competirem em espiral. Sinto mais do que um. Vruumm, Vruuumm, Vruuummm.

Custa-me engolir. Dói quando passa na garganta…
Não digo nada a ninguém! Às vezes, nem a mim!

Nestas alturas tenho inveja de ti e dos outros. Vocês, seus sortudos, têm isso de Deus. Ampara-vos, não é?

Sabes, sou tão ambíguo. Polissémico, como dirias, com o teu português mais que perfeito.
Quando te via rezar, ou quando me espantava por seres tão pouco crítica com o teu “Deus” de “dê” maiúsculo, sentia-me superior a ti. A Tua Santidade, ali, devia ser eu…

Não, desculpa, definitivamente não somos todos irmãos.
Graças a Deus!!

E “abrenúncia" para os vossos rituais…Jurei para nunca mais, quando aquela octogenária, na parte do beijo, me inundou a bochecha. Deixou lá um triângulo equilátero…De baba!
Deus me livre!

Ana, uma questão. Quando é que nasceu o teu Deus?

Outra.

Como?

É que, segundo dizem, Ele foi o criador…

Ana, isto não interessa para nada.
Se calhar deixaste-me por causa disto. Não por ser ateu.
Por dispersar…

Nunca mais soube nada de ti. Não sei se estás mais gorda, se já sabes as regras das rotundas, ou se ainda encorrilhas a cara quando tomas café…
(encorrilharás, com certeza.)
E sabes, gostava tanto de saber de ti.

Eu…cá ando. Nunca pior! Há dias maus e outros menos maus. Também os há tristes, muito tristes e tristíssimos. Não como a noite. Como eu.

Eu vou andando por aí. A fazer isto e aquilo. E isso… Haja saúde.
Escrevo-te hoje porque percebi que o amor, às vezes, não é a melhor coisa do mundo. Ele que me perdoe.

Sou um vulcão em “deserupção”…
O Miguel Esteves Cardoso tem razão. O amor é uma coisa. A vida é outra.

Com estes tríceps que Deus (?)me deu, puxei a nossa corda até onde pude. Acabei de cair para trás. Doem-me as costas, como aos adultos.
Dizem que se chama “bicos de papagaio”.

Ana ina ão, ficas tu eu não… Queria tanto que fosses comigo neste avião.

Está a levantar, agora. Tenho de apertar o cinto. O nariz já empinou e as asas abrem-se em câmara lenta. O avião sou eu…a suplicar o teu abraço.

Penso em coisas boas para ver se passa e lembro-me de uma vez em que, afinal, o teu português não foi assim tão perfeito. Com os nervos, disseste ao teu júri de mestrado que fulano ou sicrano “interviu”…

Ninguém reparou, amor.
Mas tu…Tu coraste, paraste, procuraste-me com o olhar no anfiteatro, respiraste fundo e rebobinaste…

O Amor estava ali.

E aí, a vida era uma coisa. E o Amor também era essa “coisa”.
Hoje, que o amor já não está ali, voo para longe. Não sei se para longe de Ti, porque não sei em que hemisfério estás…
As coordenadas, escolhi-as “ao calhas”, com desprezo, porque nada faz sentido quando é Vivido sozinho.




Cheguei de viagem. Confirmo muita coisa.

O meu mundo era uma migalha.

Na bagagem, que tinha de vir levezinha, trouxe o mundo...


Mais uma…

O primeiro amor tem tudo para ser o último. E tu, Ana, não foste o último.
Fica tranquila. Não sou presunçoso ao ponto de pensar que eu fui o teu.
Nem sequer o primeiro.

Sei bem que não fui a peça da tua vida…Não faz mal não ter sido o teu “Les Miserables”. Fica para a próxima.

No sítio onde estive, havia milhões como eu.

Iguaizinhos.

Não me interessa se liam a Bíblia, o Alcorão ou se cumpriam o Ramadão...
Por mais olhos em bico que tivessem, por mais pontos na testa que ostentassem, por mais véus que exibissem, ou por mais estranho que falassem, eram todos como eu.

E...andamos TODOS à procura do mesmo.

Ana, pseudónimo que te escolhi, prolonguei em demasia a ilusão de te voltar a ter. Ainda me custa a engolir quando te pronuncio. Passado todo este tempo…

Mas…

Vou continuar a viajar…

Não tarda e estarei de novo a beber na Taberna do Charles Dickens, volta e meia e volto a abraçar aquele rapaz, sem-abrigo, que, quando soube que era da terra dele, nem soube de que terra era…O abraço genuíno que me deu, cheirava mal, mas não faz mal. Faz bem.

Daqui a nada estarei outra vez à conversa com o Mustapha. Esse muçulmano, esse faquir, que não deita bombas …Aladino a voar em tapete de Arraiolos, deita antes foguetes quando lhe falo no rabiosque da mulher de Portugal.

E…

Porque o amor não se circunscreve a um sítio, a uma nacionalidade, a uma cultura, a uma cor, a uma religião…

Eu vou andando por aí…

À procura.

10 comentários:

vanda disse...

Parabéns pelo que escreves, mas sobretudo pelo modo como escreves.
Não nos conhecemos, embora tendo amigos comuns. Nunca nos cruzamos, embora tendo nós pisado o mesmo chão vezes sem conta. A vida é mesmo assim, feita de desencontros.
Apesar de não te conhecer, sinto que conheço cada gesto teu, cada palavra. Estranho este sentimento.
Obrigada João.

Anónimo disse...

Parabéns pelo que escreves, mas sobretudo, pela forma como escreves.
Não nos conhecemos, eu sei. (Embora, tendo nós "amigos" comuns.)
Nunca nos cruzamos, penso eu. (Embora, tendo nós pisado o mesmo chão vezes sem conta.)
De qualquer modo, quando te leio, sinto que conheço cada palavra tua como se minha fosse.
Sentimento estranho, este.
Obrigada João. Aguardo um livro teu.

Daniela Gonçalves disse...

Cada vez tenho mais a certeza de duas coisas, a saber: 1º o João é um escritor... não necessita de confirmação; 2º não é só necessário amar - é preciso que tal surga no tenpo certo.
Abraço ao homem que cresce e que se ergue para ver cada vez mais e mais longe :)

João Nogueira disse...

Olá, Vanda!

Fico muito feliz por te reveres no que escrevo.
Quem agradece sou eu. Não fico indiferente ao feeback que obtenho.
Escrevo, essencialmente, porque gosto, mas, às vezes, ajuda-me a clarificar as coisas...Sou um sonhador :)
Muito Obrigado pelas tuas palavras.

João Nogueira disse...

Caríssima Amiga, Professora Daniela,

Antes de mais, agradeço-lhe o facto de visitar o blog. É a minha convidada VIP :)
Depois, agradeço-lhe, entre outras mil coisas, por me ter feito perceber que eu "virgulava" muito mal...
Depois, e sem ser "puxa-saco", agradeço-lhe por ter passado na minha vida. É curioso como alguém geracionalmente tão perto de mim, me tenha ensinado tanto.
Um abraço com muito carinho para si.

Daniela disse...

Olá João!
Vim ver como andas...
É sempre uma excelente surpresa ler-te!!
Força amigo!

João Nogueira disse...

Dani, minha amigaça...

Ando óptimo...
Com uma mistura de sentimentos. Por um lado, queria que as férias continuassem, por outro, confesso que estou entusiasmado com este novo ano lectivo. Dar aulas ao 4º ano vai ser muito "fixolas" :)
Obrigado por passares por cá...

Ah, sua moça casadoira, está quase...:)

Anónimo disse...

Fantástico... queria dizer amis alguma coisa, mas as palavras não chegam...

Ana disse...

"To love another person is to see the face of God" Jean Valjean em Les Miserables de Victor Hugo ;)

Bruno Rodrigues disse...

Amigo, já és escritor. Só não ganhas a vida com isso, mas isso é uma minúcia.
Parabéns. Um abraço.